Brasileiro Tallis Gomes está na lista de jovens inovadores do MIT

Elaborada pela MIT Technology Review, a lista contém 35 nomes de pessoas inovadoras com menos de 35 anos.

Por Mariana Desidério

access_time18 ago 2017, 16h37 – Publicado em 18 ago 2017, 14h28

O empreendedor Tallis Gomes, fundador do Easy Taxi e do Singu (Leo Neves/Divulgação)
São Paulo – O brasileiro Tallis Gomes foi eleito um dos jovens mais inovadores do mundo pela MIT Technology Review, publicação ligada ao MIT(Massachusetts Institute of Technology) .

Divulgada essa semana, a 35 Innovators Under 35, contém 35 nomes de pessoas inovadoras com menos de 35 anos. A lista é dividida em cinco categorias: inventores, empreendedores, visionários, humanitários e pioneiros. Tallis encabeça a categoria dos empreendedores, que tem outros cinco nomes este ano.

Fundador do Easy Taxi – um dos maiores apps de táxis do mundo – Gomes se dedica agora à Singu, plataforma que se propõe a ser uma espécie de Uber da beleza, pela qual é possível encontrar serviços de manicure e massagem. Recentemente, Gomes lançou um livro em que conta um pouco de sua trajetória como empreendedor (“Nada Easy”, pela editora Gente).

Agora, o brasileiro comemora sua entrada para um seleto grupo de pessoas ao redor do mundo. Para se ter ideia, já figuraram na lista da MIT Technology Review nomes como Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, e Larry Page, fundador do Google.

(Fonte: https://exame.abril.com.br/pme/brasileiro-tallis-gomes-esta-na-lista-de-jovens-inovadores-do-mit/, data de acesso: 10/09/2018)

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2018/09/brasileiro-tallis-gomes-esta-na-lista-de-jovens-inovadores-do-mit/

Entrevista com a advogada Dr.ª Maria Berenice Dias

Maria Berenice Dias

Perfil de Maria Berenice Dias, Advogada

  • Advogada especializada em Direito Homoafetivo, Direito das Famílias e Sucessões.
  • Vice-Presidente Nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família.
  • Presidenta da Comissão Especial da Diversidade Sexual do Conselho Federal da OAB.
  • É membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República.
  • Lidera um movimento nacional para criação de Comissões da Diversidade Sexual ligadas à OAB e que estão sendo criadas em todo Brasil.
  • É membro da Comissão Especial da Diversidade Sexual da OAB/RS.
  • Conselheira Consultiva do Instituto Proteger.
  • Participa do Conselho Curador da Fundação Pró-HPS.
  • Presidente de Honra do Jus Mulher.
  • Integrante da Comissão Científica dos Congressos Brasileiros de Direito de Família, promovidos pelo IBDFAM.
  • Integrante da Comissão Editorial da Revista Brasileira de Direito de Família, publicação da Editora Magister e IBDFAM – Instituto Brasileiro de Direito de Família.
  • Integrante da Comissão Editorial da Revista Lex Familiae – Revista Portuguesa de Direito da Família, de Portugal.
  • Integrante da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República.
  • Integrante da Comissão Editorial da Revista Gênero & Direito.
  • Integrante do Conselho Editorial da primeira Revista Jurídica da Defensoria Pública do Estado do Tocantins – CEJUR.

Contatos:

Escritório Maria Berenice Dias Advogados

Rua Comendador Caminha, 312, cj. 401/403

Bairro Moinhos de Vento

Porto Alegre / RS

CEP: 90430-030

Fone: +55 51 3019-0080

Site: http://www.mbdias.com.br

E-mail: secretaria@mbdias.com.br

Publicações e Eventos

Fone: +55 51 3223-8905

E-mail: berenice@berenicedias.com.br

Site: http://www.mariaberenice.com.br/


Ouça a entrevista: Rádio Espaco Homem – 2018-09-15 – Dr.ª Maria Berenice Dias

https://drive.google.com/file/d/1TJLR4Fr4Q0d30NY2wUWXXCG_HaQIJuD-


OBS.: Respeitamos a Liberdade de Expressão de todas as pessoas. As opiniões aqui expressas NÃO refletem as da RÁDIO ESPAÇO HOMEM, sendo estas de total responsabilidade das pessoas aqui entrevistadas.

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2018/09/entrevista-com-a-advogada-dr-a-maria-berenice-dias/

Singu levanta R$ 10 milhões em investimento de dois líderes do mercado de beleza do País

A Singu, maior marketplace de beleza da América Latina, acaba de levantar R$ 10 milhões em um investimento liderado pelas duas principais famílias do ramo de beleza do País. O aporte vai permitir que a empresa permaneça na liderança do mercado de beleza e bem estar, onde apenas no Brasil movimenta R$ 100 bilhões por ano.

Em um pouco mais de dois anos de história, a brasileira Singu construiu uma base de mais de 200 mil usuários, nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro – que juntas são responsáveis por quase ¼ do mercado de serviços de beleza no País. “A Singu tem o objetivo de facilitar o dia a dia de seus clientes e entregar um serviço de qualidade com muita comodidade, mas com preços de salão de bairro. Ao passo de que os artistas que conosco atendem, ganham, em média, 3x mais do que a média daqueles que trabalham nos melhores salões do Brasil. Por isso, estamos criando uma base fiel, onde quase 90% volta a usar o serviço em até 30 dias; algo praticamente impossível neste modelo de negócios (marketplace de serviços)”, explica Tallis Gomes, fundador e CEO da Singu.

Além disso, a Singu é responsável por triplicar a renda média das profissionais de beleza e bem estar, criando um mecanismo meritocrático de ascensão social para os mais de dois mil profissionais cadastrados em sua base, pelo fato da Singu atender todos os dias das 07 às 22h. A vantagem para os profissionais é que, ao contrário dos salões convencionais que cobram até 70% do serviço prestado, a Singu recolhe apenas 30%, invertendo a lógica tradicional do mercado. Além disso, os profissionais que com a empresa trabalham, podem escolher quando e quanto vão trabalhar, já que a Singu funciona todos os dias.

Pela Singu, seu fundador, Tallis Gomes, foi eleito pelo MIT, em 2017, como um dos 30 empreendedores mais inovadores do mundo pelo seu trabalho à frente da empresa; tratada pela imprensa americana como “Uber for Beauty”.

O marketplace reúne, em um único ambiente, prestadores de serviços que oferecem opções como manicure, pedicure, diferentes tipos de massagens e depilação. Pela Singu, todos os preços dos serviços são tabelados e o atendimento pode ser tanto na casa ou até mesmo no escritório do cliente. Além disso, o pagamento online, feito exclusivamente com cartão de crédito, excluindo o receio da variação de preços, algo muito comum neste setor.

(Fonte: https://valoragregado.com/2018/03/27/singu-levanta-r-10-milhoes-em-investimento-de-dois-lideres-do-mercado-de-beleza-do-pais/, data de acesso: 10/09/2018)

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2018/09/singu-levanta-r-10-milhoes-em-investimento-de-dois-lideres-do-mercado-de-beleza-do-pais/

Quanto ganham os parlamentares pelo mundo?

Carlos Albuquerque – 27/08/2018

Enquanto chilenos ocupam o primeiro lugar na lista dos deputados mais bem pagos da América Latina, italianos são os mais bem remunerados da Europa. Mundialmente, no entanto, o congressista americano é o de maior custo.

Brasil

Somente de salário, um congressista brasileiro ganha 33.763 reais, o que equivale a mais de 35 salários mínimos. Essa cifra mais que duplica, porém, quando se somam outros benefícios. Segundo recente estudo do Centro Latino-Americano de Políticas econômicas e Sociais (Clapes UC) da PUC do Chile, o ganho bruto de um deputado brasileiro perfaz em média 16.462 dólares mensais.

México

O México não é somente a segunda maior economia da América Latina, mas também ocupa o segundo lugar quando se trata dos ganhos parlamentares: ali, de acordo com o Clapes UC, um deputado federal ganha em média 20,6 mil dólares, o que equivale a 69 salários mínimos mexicanos. Essa é, de longe, a maior proporção entre os países latino-americanos.

Chile

Com pouco mais de 23 mil dólares de salário mensal, os deputados chilenos são os mais bem pagos da América Latina. O ganho parlamentar corresponde a 34 salários mínimos no Chile. O Clapes UC ressalta que sua pesquisa se refere apenas à renda livre disponível, não incluindo despesas de representação, diárias ou despesas de transporte, entre outros.

Argentina

Com um salário mensal equivalente a 10.516 dólares, os congressistas argentinos ocupam a quarta posição entre os colegas da América Latina, ganhando pouco acima da média salarial dos deputados latino-americanos, que é 10.205 dólares, de acordo com o Clapes UC.

Itália

Segundo pesquisa de maio de 2016 do site suíço “swissinfo.ch”, os parlamentares italianos eram os mais bem pagos da União Europeia, com um salário básico anual de mais de 167 mil euros (192 mil dólares). Em segundo lugar estão os austríacos, seguidos pelos alemães.

Leia sobre todos os países, reportagem do link abaixo:

https://www.dw.com/pt-br/quanto-ganham-os-parlamentares-pelo-mundo/g-45167763

(Fonte: https://www.msn.com/pt-br/noticias/politica/quanto-ganham-os-parlamentares-pelo-mundo/ss-BBMhqh4?ocid=sw, data de acesso: 10/09/2018)

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2018/09/quanto-ganham-os-parlamentares-pelo-mundo/

Criminalistas analisam principais causas de erros judiciais e suas consequências

12 de Setembro de 2018

Por Sérgio Rodas

As principais causas de erros judiciais são falsas acusações, reconhecimento errado do autor do crime, perícias imprecisas, abusos de agentes estatais e confissões forçadas, muitas vezes obtidas mediante tortura. É o que afirmaram as criminalistas Maíra Fernandes e Dora Cavalcanti durante o 24º Seminário Internacional de Ciências Criminais, promovido em São Paulo pelo Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCrim), no último dia 29.

Maíra, que foi presidente do Conselho Penitenciário do Estado do Rio de Janeiro, disse que nunca viu um reconhecimento de autor ser feito de acordo com os requisitos do artigo 226 do Código de Processo Penal.

A regra do inciso II é especialmente desrespeitada, apontou. O dispositivo estabelece que “a pessoa, cujo reconhecimento se pretender, será colocada, se possível, ao lado de outras que com ela tiverem qualquer semelhança, convidando-se quem tiver de fazer o reconhecimento a apontá-la”.

“Em muitos casos que chegavam a mim no Conselho Penitenciário, o reconhecimento era feito da seguinte forma: pegavam o sujeito preso — com cara de preso, sem banho, abatido — e colocavam do lado dele funcionários do cartório, todos arrumados, com roupas sociais. É claro que a vítima sempre reconhecia o sujeito [como autor do crime]”, contou a advogada.

Além disso, afirmou, diversas vezes policiais pressionam a vítima para dizer que um dos elencados é quem praticou o delito. E a definição de quem é suspeito ou não costuma seguir filtros racistas e classistas, destacou Maíra, mencionando o ocorrido com o ator Vinícius Romão de Souza.

Ao sair da loja onde trabalhava como vendedor, ele foi preso. A vítima tinha dito aos policiais que fora roubada por um homem negro, que vestia uma camiseta preta — tal como Souza. Na delegacia, ele ligou para seu pai, e este levou documentos que provavam que o filho era ator. Ao determinar sua libertação, o juiz apontou que Souza “não tem o perfil dos presos corriqueiros”. “O mesmo motivo que fez prender foi o que fez soltar”, observou a advogada.

Outro problema está no reconhecimento por foto. “Ninguém esclarece a vítima que, entre os retratos que lhe são apresentados, não necessariamente algum é de um autor de um crime”, declarou Dora Cavalcanti, diretora do Innocence Project Brasil. Só que a identificação indevida por uma foto acaba ficando na mente da pessoa, criando uma falsa memória. Assim, quando ela se depara pessoalmente com o suspeito, acaba quase automaticamente apontando-o como praticante do delito, ressaltou.

Para evitar isso, Dora defendeu que sejam criados protocolos para o reconhecimento de pessoas. Segundo ela, todas as etapas devem ser gravadas.

Confissões falsas

As confissões falsas são responsáveis por grande parte dos erros judiciais. Nos EUA, citou Dora Cavalcanti, muitos suspeitos preferem fazer um plea bargain (espécie de acordo de delação premiada) a se submeter a um julgamento e correr o risco de ser condenado a uma pena bem maior.

Já no Brasil, a ditadura militar terminou em 1985, mas seus resquícios ainda podem ser encontrados na atuação das polícias, apontou Maíra Fernandes. “A tortura ainda é um método de interrogatório”. Embora a Organização das Nações Unidas constantemente denuncie a prática no país, é muito difícil punir os policiais que a praticam, analisou a criminalista.

“Certa vez, no Conselho Penitenciário, 10 mães de presos me denunciaram torturas. Daí eu falei: ‘Vamos agora para a delegacia’. Mas elas disseram: ‘Não. A senhora está aqui hoje, mas não estará amanhã. Nossos filhos ainda têm muito tempo de prisão para cumprir e podem sofrer represálias’. Assim, nós denunciamos as agressões na Secretaria de Estado de Administração Penitenciária e tudo o que conseguimos foi tirar o diretor da prisão — e ele foi transferido para outra unidade, com menos trabalho”, criticou.

As duas advogadas também avaliaram que as perícias têm um valor probatório exagerado em ações penais. Como exemplo, Maíra contou o caso de um homem que foi condenado a 10 anos de prisão por vender mel com própolis. Ele foi enquadrado no crime do artigo 273, parágrafo 1º, do Código Penal — vender produto destinado a fins medicinais falsificado, corrompido, adulterado ou alterado.

“Tinha um laudo do Ministério Público que dizia que mel com própolis era um medicamento, embora fitoterápico. E que estes, se usados sem prescrição, poderiam ser extremamente danosos à saúde. Por isso, ele foi condenado a 10 anos de prisão. Daí eu peguei na farmácia um mel com própolis e vi que ele tinha registro no Ministério da Agricultura — ou seja, era um alimento, não medicamento. Com isso, consegui absolvê-lo.”

Abuso de autoridade

As condutas abusivas de policiais, integrantes do MP e magistrados são outro fator que contribui para erros judiciais. Maíra Fernandes disse que, no Rio de Janeiro, a Súmula 70 do Tribunal de Justiça legitima condenações sem provas. O verbete diz que o fato de apenas policiais serem testemunhas “não desautoriza a condenação”.

Um estudo da Defensoria Pública fluminense mostrou que, em 53,79% das condenações por tráfico de drogas, a palavra dos policiais foi a única prova usada pelo juiz para fundamentar sua decisão. E em 71,14% eles foram as únicas testemunhas dos processos. E tanto o Núcleo de Estudos de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV-USP) quanto o juiz da Vara de Execução Penal de Manaus, Luís Carlos Valois, em sua tese de doutorado na mesma instituição, verificaram o percentual de 74% de autos de prisão em flagrante sem a palavra de testemunhas que não os policiais envolvidos.

Para demonstrar como a Súmula 70 é usada para produzir injustiças, Maíra narrou a história de um jovem que morava na entrada de uma favela do Rio. Ao chegar de seu trabalho, viu que a polícia iniciava uma operação no local. Ele então foi cozinhar seu jantar e, sem querer, derrubou as panelas. Os agentes de segurança ouviram o barulho e logo invadiram sua casa. Sob a alegação de que o sujeito estava alertando traficantes da ação policial, prenderam-no em flagrante. Com base apenas no relato dos policiais, o homem foi condenado por associação ao tráfico e cumpriu integralmente sua pena.

A conduta dos agentes estatais é motivada por um sistema punitivista, que acredita que a prisão é a solução para a criminalidade, opinou a advogada. Com essa mentalidade e pressionados pela imprensa, delegados têm que achar culpados; promotores, denunciar; e juízes, condenar, afirmou a criminalista.

Tarda e falha

Mesmo quando um erro judicial é descoberto, é difícil que o injustiçado obtenha indenização do Estado. Basta ver o caso de Heberson, citado por Maíra Fernandes. Ele foi preso preventivamente em 2003 sob acusação de ter estuprado uma menina.

A vítima descreveu o autor do crime como “de estatura média, magro, cabelos castanhos escuros, moreno escuro e com os dentes da frente salientes e faltando os caninos”. No entanto, Heberson é pardo e tem dentes alinhados. O laudo pericial concluiu que as características físicas dele são incompatíveis com as mencionadas pela garota.

Além disso, a vítima afirmou que o autor do delito já tinha estado em sua casa, procurando emprego para sua irmã. Nessa ocasião, teria falado com a “tia” Isabel. Porém, esta mulher garantiu que Heberson nunca foi à casa da menina pedir trabalho.

Em 2006, Heberson foi absolvido. Nos três anos que permaneceu preso, foi estuprado por 60 detentos e contraiu o vírus HIV e toxoplasmose. No começo de 2015, o estado do Amazonas negou pedido de indenização a ele. Nove meses depois, o Tribunal de Justiça do Amazonas reconheceu seu direito à reparação. Contudo, o estado recorreu, e o caso está no Supremo Tribunal Federal.

Enquanto isso, a saúde de Heberson vem se debilitando. “Tenho medo de que essa indenização só saia quando o Heberson já tiver morrido”, lamentou Maíra.

(Fonte: https://www.conjur.com.br/2018-set-06/criminalistas-analisam-principais-causas-erros-judiciais, data de acesso: 10/09/2018)

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2018/09/criminalistas-analisam-principais-causas-de-erros-judiciais-e-suas-consequencias/

Banco deve indenizar correntista que teve salário confiscado

A 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) condenou o Banco Bradesco S/A ao pagamento de R$ 9.080,00 de indenização moral para servidor público que teve salário integralmente confiscado de conta corrente para pagamentos de dívida com o Banco. A decisão foi tomada nessa quarta-feira (20/07).

De acordo com a relatora do caso, desembargadora Naílde Pinheiro, “o Superior Tribunal de Justiça possui firmes manifestações quanto à impossibilidade de retenção de salário para pagamento de dívida, tendo consolidado um entendimento de que o limite ‘razoável’ para retenção seria de, no máximo, 30% dos rendimentos”.

Segundo os autos, no dia 1º de fevereiro de 2012, o correntista percebeu que o salário integral no valor de R$ 908,00, que tinha acabado de receber, teria sido confiscado pelo Bradesco, onde mantinha conta corrente. Na ocasião, o servidor ficou ainda com um saldo negativo de R$ 47,27.

O autor da ação alega que seu salário integral foi retido para pagamento de juros de cartão de crédito, crédito pessoal e tarifas bancárias e que tal fato gerou transtornos ao mesmo, pois impossibilitou pagamentos básicos como contas de água e energia. Por isso, ajuizou ação requerendo, em antecipação de tutela, a imediata devolução do valor confiscado e indenização moral.
Em contestação, o Banco Bradesco S/A afirmou que não ocorreu nenhuma ilicitude, uma vez que todos os procedimentos realizados obedeceram os ditames legais e que inexistiu abusividade na cobrança dos encargos.

O Juízo da 12ª Vara Cível de Fortaleza concedeu a tutela antecipada e, em 11 de agosto de 2015, julgou totalmente procedente a ação. Além de confirmar a tutela, condenou a instituição ao pagamento de dez vezes o valor confiscado, totalizando R$9.080,00.
Inconformado, o banco ingressou com apelação no TJCE, pleiteando a suspensão do cumprimento da sentença, visto que não estaria de acordo com os ditames da lei e da razoabilidade.

Ao analisar o recurso, a 2ª Câmara Cível manteve integralmente a decisão de primeiro grau, por unanimidade. A relatora afirmou que “ainda que haja previsão contratual que autorize a instituição financeira a promover a retenção dos valores salariais para pagamento das dívidas do contratante com a instituição financeira, há que se reconhecer a necessidade de limitação no exercício de tal previsão contratual, adequando-a à proteção constitucional da dignidade da pessoa humana”.

(Fonte: TJ-CE Category: Notícias22 de julho de 2016 – https://www.rochadvogados.com.br/banco-deve-indenizar-correntista-que-teve-salario-confiscado/, data de acesso: 10/09/2018)

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2018/09/banco-deve-indenizar-correntista-que-teve-salario-confiscado/

Para o homem o trabalho é vida?

“Lutemos por um mundo novo… um mundo bom que a todos assegure o ensejo de trabalho, que dê futuro à mocidade e segurança à velhice.”

Charles Chaplin

O eterno sábio Charles Chaplin se refere a um mundo renovado pelo trabalho, que promove a bondade entre as pessoas, e, principalmente, faz com que se construa um futuro para a juventude, de modo que quando idosos tenham as garantias de segurança.

Atualmente as manchetes de jornais veiculados na Internet, bem demonstram em suas titulações o caos que estão vivenciando milhares de homens de todas as idades. Saber que milhares de homens correm atrás de vagas para salários mínimos ou pouco mais, muitos passando a noite na fila… a causa, por que foi desempregado de pequenas empresas cujas maioria fecharam suas portas, diante de uma crise fabricada… e de um “cenário destrutivo pessimista!”

As despesas fixas aumentam com juros nas esperas de vagas de trabalho, uma rotina de madrugada a noite a dentro, de filas a exaustão de caminhar, ou pedalar uma bicicleta numa estrada, que parece não ter fim. Mal alimentados… e, ali esperam com a “esperança na mão e no coração” … E, tristemente percebem que chega a ter 5 a 8 candidatos por vagas… Querem qualquer cargo, trabalhar em qualquer coisa, mas o que desespera é o estar sem emprego algum…

O homem brasileiro é um trabalhador, haja vista quantos saem a vender agua, biscoitos, balas etc. nas esquinas, nas praças, dentro e trens… enfim, dia e noite, estão com suas pequenas compras de mercadorias, é com o fruto da venda diária que alimentam um pouquinho a mais a família, comprando o que já faltava.

E, os “direitos adquiridos”? Como dormir quase faminto, e desencantado porque pensa que lhe estão boicotando em sua previdência, que a falta disto lhe trará o risco de não ter a mínima segurança na sua velhice… além de não poder ofertar o necessário básico para a própria.

Não é justo tratá-los como corjas, desocupados etc. Pois, não são, e, não estão sendo seres inferiores…

Por que querem administrá-los e decidir o destino das multidões? Se as altas cortes e cúpulas têm seus altos salários, foi porque “estes homens na base da pirâmide” em sua maioria, foram e sempre serão o sustentáculo de todas as administrações, em todos os segmentos sociais…

Quem os acusam e os deprimem, quem os abandonam a própria sorte pela exploração, quem os discriminam, jamais suportariam ter que “suportar o mesmo.

Ser algoz com quem lhes dá a base da vivencia, na sua força bruta e na sua mão de obra para quaisquer momentos, soa a estupidez emocional.

Querer desprezar, quem lhe serve nas atividades básica de sua vida do cotidiano, é a insanidade sem cura social…

Chaplin diria: “Homens é que sois, não máquinas!”

Nossa indignação e abraço solidário, e o reconhecimento do valor de cada trabalhador e de cada trabalhadora de nosso país, independente de que área e formação precise.

Dia 7 de setembro Dia da Independência do Brasil…

Que seja também o dia da sua libertação do “jugo dos exploradores da sua vida e a de sua família!” POIS PARA CADA UM DO POVO O TRABALHO É VIDA!

Vamos nos manter no controle de nossas emoções, vamos buscar a vitória pela nossa fé: e força nos bons princípios, e na união da maioria, com a minoria.

A vitória de uns é a vitória de todos. A vitória de umas é a vitória de todas.

Receba nosso fraternal abraço e o que pesquisamos para você nesta edição, quiçá possa servir-lhe na indicação e fontes e sugestões.

Elisabeth Mariano e equipe ESPAÇO HOMEM.

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2018/08/para-o-homem-o-trabalho-e-vida/

Entrevista com o Psicólogo, Filósofo, Teólogo, Escritor, Conferencista e Padre RUBENS PEDRO CABRAL

Pe. Rubens Pedro Cabral

Perfil do Psicólogo, Filósofo, Teólogo, Escritor, Conferencista e Padre RUBENS PEDRO CABRAL

Coordenador da CRB – Conferência dos Religiosos do Brasil – Regional São Paulo
Missionário Oblato de Maria Imaculada da Província do Brasil, nascido em São Carlos-SP a 30/06/1953, vive em São Paulo a 42 anos.

Se formou em Filosofia pela Faculdade Nossa Senhora Medianeira, Teologia pela Faculdade Nossa Senhora da Assunção, Psicologia pela UNISA – Universidade Santo Amaro – e fez Especialização em Atendimento a Pessoas Especiais pela USP.

Foi Pároco nas periferias de São Paulo durante 27 anos, atuou como Psicólogo por 25 anos, Professor Universitário na UNISA durante 15 anos.

Foi Provincial dos Oblatos de Maria Imaculada e atualmente é o Coordenador da Conferência dos Religiosos do Brasil – Regional São Paulo.



OBS.: Respeitamos a Liberdade de Expressão de todas as pessoas. As opiniões aqui expressas NÃO refletem as da TV ESPAÇO HOMEM, sendo estas de total responsabilidade das pessoas aqui entrevistadas.

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2018/08/entrevista-com-o-pe-rubens-pedro-cabral-omi-filosofo-psicologo-e-professor-3/

Entrevista com o perito contábil Prof. Eduardo Terovydes Júnior

Prof. Eduardo Terovydes Júnior

Perfil do perito contábil Prof. Eduardo Terovydes Júnior

Prof. Eduardo Terovydes Júnior

Contador e Administrador de Empresas formado pela Universidade São Judas em 1988; é Perito Judicial Contábil e Administrador Judicial e em Penhora de Faturamento no Tribunal de Justiça de SP há 27 anos.

Como profissional de confiança de dezenas de Juízes, atua em processos cível, empresarial, bancário, família e tributário, bem como presta serviços quando contratado por uma das partes como assistente técnico contábil, orientando o cliente e servindo de intercâmbio com o Perito nomeado.

É membro ativo da Associação dos Peritos Judiciais do Estado de São Paulo – APEJESP

Contatos:

Telefone: (11) 3567-2939

E-mail: contato@pericia-contabil.com

Site: http://pericia-contabil.com


Ouça a entrevista: Rádio Espaco Homem – 2018-08-15 – Prof. Eduardo Terovydes Júnior

https://drive.google.com/file/d/17yc_E4CoMqk0Vz27_eUZjmGbxf4ceN6A


OBS.: Respeitamos a Liberdade de Expressão de todas as pessoas. As opiniões aqui expressas NÃO refletem as da RÁDIO ESPAÇO HOMEM, sendo estas de total responsabilidade das pessoas aqui entrevistadas.

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2018/08/entrevista-com-o-perito-contabil-prof-eduardo-terovydes-junior/

Após passar 20 meses velejando, Aleixo Belov retorna a Salvador

Keyla Pereira

Sex, 03/08/2018 às 15:18 | Atualizado em: 03/08/2018 às 15:18

O navegador Aleixo Belov traz a Salvador o Veleiro Escola Fraternidade, após 20 meses percorrendo os mares do mundo. O retorno acontecerá neste sábado, 4, às 10h no porto da cidade. O espaço ficará aberto ao público de forma gratuita.

Belov retorna à capital baiana após realizar sua quinta volta ao mundo. A prioridade desta viagem era antes de tudo visitar o Alaska. “É um lugar exótico, com muitas geleiras, ursos e salmões. O Alaska é um lugar único”, explica o navegador sobre a experiência.

A decisão do engenheiro de visitar ao Alaska surgiu baseado nas últimas viagens. “Já realizei três viagens sozinho ao redor do mundo e as duas últimas levei alguns estudantes. Como ainda não inha passado pelo Alaska, decidi que era o momento de conhecer, agora faltam poucos lugares”, explica Aleixo.

Após navegar pelo mar do Caribe, Parque Nacional da Ilha de Cocos da Costa Rica e até Parque Nacional Kenai Fjords, Aleixo reúne experiências singulares que marcaram sua vida. “No mar ficamos longe de hospital, se alguém passar mal fica difícil. Viver é arriscado, porém gostoso”, conta.

Conhecimento: o motivo das viagens

Após realizar três viagens ao redor no mundo sozinho, Aleixo decidiu construir o Veleiro Escola Fraternidade. Possuindo 21 metros e 80 tolenadas, o barco se tornou um motivo a mais para que o navegador mantivesse as viagens e dessa vez acompanhado.

Belov explica que as inscrições são realizadas através da internet, quando ele divulga a próxima viagem. Ele explica que iniciou com 26 alunos presentes no veleiro e depois reduziu para 17, com receio de acidentes ao longo da viagem.

Cada grupo que viaja ao lado de Belov conhece um quarto do percurso total. O navegador sempre vai a um ponto e retorna a Salvador para que mais pessoas possam ter a possibilidade de experimentar.

Os alunos não precisam investir para participar da viagem, o próprio Aleixo paga as necessidades dos componentes, incluindo passagens de avião para quem não mora na capital baiana.

Quanto ao processo de escolha, Aleixo afirma que prefere aqueles que nunca tiveram oportunidades para conhecer o mundo. “Quem nunca conheceu os lugares deseja aprender e o Veleiro Escola Fraternidade possibilita isso”, afirma.

O navegador explica o que motivou realizar as cinco voltas ao mundo: “A curiosidade sobre como vivem os povos, além de comparar com a nossa sociedade. O foco principal é encontrar o sentido da vida”.

As experiências de Aleixo estão registradas em sete livros e ainda há 17 cadernos de 200 folhas com relatos das viagens, além de vídeos que se tornarão filmes, segundo o navegador.

Uma pausa, o retorno para casa

Embora tenha dito que conheceu quase o mundo todo e que já até “reclamou com o Criador por ter feito um planeta pequeno”, Aleixo no momento irá retornar a Salvador e não possui planejamento para viajar no momento.

“Não há nada marcado, eu tenho 75 anos e quero produzir meus filmes e livros. Se após esses projetos eu estiver com saúde, irei viajar novamente”, afirma.
Aleixo afirmou que estava com saudade de voltar para casa, mas não para a rotina que tanto buscou fugir. O navegador contou que em conversa com pessoas próximas ouviu que ele “fugiu da gaiola, mas deixou a porta aberta para retornar e nem todo mundo tem essa possibilidade”.

Desprendido da terra, Belov ressalta diversas vezes ao longo da entrevista sobre a importância de viajar e o aprendizado que recebeu ao longo desses roteiros. O engenheiro agora irá focar em trabalhar em sua empresa, a Belov Engenharia Limitada, que atua com obras marítimas, portos e sub-aquáticas.

(Fonte: http://atarde.uol.com.br/bahia/salvador/noticias/1981521-apos-passar-20-meses-velejando-aleixo-belov-retorna-a-salvador, data de acesso: 10/08/2018)

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2018/08/apos-passar-20-meses-velejando-aleixo-belov-retorna-a-salvador/