out 15

Os tempos atuais exigem que sejamos influentes, mas com afetividade

“Que se destine meu aluno à carreira militar, eclesiástica ou à advocacia, pouco me importa. Antes da vocação dos pais, a natureza chama-o para a vida humana. Viver é o ofício que quero ensinar. Saindo de minhas mãos, ele não será, concordo, nem magistrado, nem soldado, nem padre; será primeiramente um homem.” Jean Jacques Rosseau

Nada é mais deplorável no ser humano quando ele se perde na busca ansiosa do “poder do vale tudo” posto que só tem olhos para a ganancia material, e, que friamente calcula mais uma etapa de planos “escusos e escuros” (sem a luz do dia e da verdade), e, sem se recordar da própria fragilidade, em meio a euforia saberá que é frágil, e, a qualquer momento será “cinzas”.

O que é inesquecível? O que é exemplar? O que é que influencia a outras pessoas de forma universal? O que motiva e ilumina alguém tão humano, que comove!? É a luz da afetividade que esparge e ilumina com seu olhar, sorriso, aperto de mão, com uma frase apoiadora e compreensiva.

Os novos tempos conturbados somente ofertarão fortunas e espaços de lideranças, aqueles homens que motivam aos novos homens, que sejam a inspiração de um novo modelo para a educação e relacionamento dos povos. Alguém que será sempre admirado e amado, inesquecível.

Conforme a citação de Jean Jacques Rousseau: Além de líder é “primeiramente um homem”.
Ser homem na alma, que esparge a certeza de novos caminhos, de construção para o sucesso e com paz. Sem afeto nada se desenvolve, e nada prospera. Só um grande homem, age com fé!

Nosso abraço fraternal a você que nos acompanha, e nos compreende, nos aceita e colabora. Fizemos uma edição buscando trazer informações que destaquem alguns homens, fatos notícias e pesquisas. Esperamos que as entrevistas tragam novas percepções de vida diante dos fatos que ocorrem em nossa sociedade atual.

A liberdade de expressão e a visão multidisciplinar nos enriquece a todos, como pessoas humanas, que somos, e de paz! Nossa gratidão eterna aos colaboradores e colaboradoras voluntárias, pois são nossos alicerces. Lembre-se, NOVEMBRO AZUL é para a sua saúde! Abraço de Elisabeth Mariano, coordenação de ESPAÇO HOMEM e equipe.

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2017/10/os-tempos-atuais-exigem-que-sejamos-influentes-mas-com-afetividade/

out 15

Entrevista com Carlos Daniel Gomes Toni, Advogado

Carlos Daniel Gomes Toni

Perfil de Carlos Daniel Gomes Toni, Advogado

Formado em direito pela Universidade de São Paulo, 1999, aprovado no primeiro concurso do Ibama para analista ambiental, 2002, especialista em direito do trabalho pela Universidade de São Paulo 2005, sócio do escritório Mori e Toni desde 2007.

Contato:

Endereço: R. Dona Antônia de Queiros, 504, Conj 11, Higienópolis, São Paulo, SP, CEP 01307-010, Brasil

Telefones: (11) 3722-1628 / (11) 3726-7960



OBS.: Respeitamos a Liberdade de Expressão de todas as pessoas. As opiniões aqui expressas NÃO refletem as da RÁDIO ESPAÇO HOMEM, sendo estas de total responsabilidade das pessoas aqui entrevistadas.

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2017/10/entrevista-com-carlos-daniel-gomes-toni-advogado/

out 15

Entrevista com Maria Berenice Dias, Advogada

Maria Berenice Dias

Perfil de Maria Berenice Dias, Advogada

  • Advogada especializada em Direito Homoafetivo, Direito das Famílias e Sucessões.
  • Vice-Presidente Nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família.
  • Presidenta da Comissão Especial da Diversidade Sexual do Conselho Federal da OAB.
  • É membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República.
  • Lidera um movimento nacional para criação de Comissões da Diversidade Sexual ligadas à OAB e que estão sendo criadas em todo Brasil.
  • É membro da Comissão Especial da Diversidade Sexual da OAB/RS.
  • Conselheira Consultiva do Instituto Proteger.
  • Participa do Conselho Curador da Fundação Pró-HPS.
  • Presidente de Honra do Jus Mulher.
  • Integrante da Comissão Científica dos Congressos Brasileiros de Direito de Família, promovidos pelo IBDFAM.
  • Integrante da Comissão Editorial da Revista Brasileira de Direito de Família, publicação da Editora Magister e IBDFAM – Instituto Brasileiro de Direito de Família.
  • Integrante da Comissão Editorial da Revista Lex Familiae – Revista Portuguesa de Direito da Família, de Portugal.
  • Integrante da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República.
  • Integrante da Comissão Editorial da Revista Gênero & Direito.
  • Integrante do Conselho Editorial da primeira Revista Jurídica da Defensoria Pública do Estado do Tocantins – CEJUR.

Contatos:

Escritório Maria Berenice Dias Advogados

Rua Comendador Caminha, 312, cj. 401/403

Bairro Moinhos de Vento

Porto Alegre / RS

CEP: 90430-030

Fone: +55 51 3019-0080

Site: http://www.mbdias.com.br

E-mail: secretaria@mbdias.com.br

Publicações e Eventos

Fone: +55 51 3223-8905

E-mail: berenice@berenicedias.com.br

Site: http://www.mariaberenice.com.br/


Ouça a entrevista: Radio Espaço Homem – 2017-10-15 – Maria Berenice Dias


OBS.: Respeitamos a Liberdade de Expressão de todas as pessoas. As opiniões aqui expressas NÃO refletem as da RÁDIO ESPAÇO HOMEM, sendo estas de total responsabilidade das pessoas aqui entrevistadas.

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2017/10/entrevista-com-maria-berenice-dias-advogada/

out 15

Português que entrou na faculdade aos 77 termina o doutorado aos 85

Por Giuliana Miranda

Concluir um doutorado é um momento marcante para qualquer estudante. Mas, em Portugal, a defesa de uma tese na Universidade de Aveiro foi recheada de ainda mais emoções: o candidato a doutor tinha 85 anos.

Ingressar no ensino superior sempre esteve nos planos de Brasilino Godinho, mas a vida sempre o levava para um caminho diferente.

Primeiro, foi a questão financeira e a necessidade de trabalhar desde muito jovem. Depois, o casamento e o nascimento dos filhos.

“A decisão de seguir um curso universitário foi tomada no ano de 1947, tinha 16 anos de vida. Durante 60 anos não foi possível aceder à universidade por não ter condições financeiras e porque havia que atender às prioridades da família e da educação e formação universitária de dois filhos”, conta.

Em 2008, viúvo aos 77 anos — já aposentado e com os rebentos já formados em engenharia civil — Brasilino resolveu finalmente ir atrás do antigo sonho da universidade.

Prestou o vestibular e foi aprovado para o curso de letras da Universidade de Aveiro, no centro-norte de Portugal.

Dedicado, ele logo foi encorajado pelos professores a seguir na pós-graduação.
Como terminou a licenciatura com uma nota muito boa — 16 em na escala de zero a 20 do sistema de ensino português —, ele pode pular o mestrado e se matricular diretamente no doutorado.

Com a tese “Antero de Quental: um patriotismo no Porvir de Portugal”, Brasilino diz querer ajudar na reflexão sobre a situação atual de seu país, que, segundo o recém-doutor, passa por “uma grave e abrangente crise” em vários sentidos,

“Foi também no sentido da tese se constituir como válido instrumento de despertar a sociedade para a premente necessidade de recuperar os valores e as lições do magistério moral, cívico, cultural e político de Antero de Quental”, explica.

Embora se diga realizado e pleno com o doutorado, Brasilino não pensa em parar.

Ele se considera um “jovem de quase 86 anos de idade” e espera “ser exemplo e inspiração para as novas gerações e… para os idosos que tenham possibilidade de continuar ativos”.

(Fonte: http://orapois.blogfolha.uol.com.br/2017/07/21/portugues-que-entrou-na-faculdade-aos-77-termina-o-doutorado-aos-85/, data de acesso 10/10/2017)

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2017/10/portugues-que-entrou-na-faculdade-aos-77-termina-o-doutorado-aos-85/

out 15

Jimmy Wales co-fundador de Wikipédia há 16 anos

Jimmy Donal Wales, ou simplesmente Jimmy Wales, também apelidado de Jimbo Wales, (Huntsville, 7 de agosto de 1966[1]) é um empresário americano da Internet, mais conhecido pelo público como co-fundador, em 2001, do projeto livre Wikipédia. Atualmente, ele é membro do conselho de administradores da Fundação Wikimedia e é um dos fundadores da Wikia, uma propriedade privada de serviço livre de hospedagem de sites criado em 2004.

Juntamente com Larry Sanger, Wales ajudou a popularizar a tendência do desenvolvimento da web que visa facilitar a criatividade, a educação e o conhecimento humano de acesso livre, por meio da colaboração compartilhada entre usuários. Jimmy criou a Wikipédia inspirado pela teoria da Ordem Espontânea, do economista e filósofo Friedrich Hayek[2][3][4], segundo a qual o conhecimento se encontra disperso pela sociedade. Com o produto de seu trabalho com a Wikipédia, que se tornou a maior enciclopédia do mundo, a revista Time listou Wales como uma das pessoas mais influentes do mundo em 2009.

Em 2009, Wales ficou em terceiro lugar na lista Agenda Setters 2009, onde o site Silicon.com seleciona os 50 indivíduos mais influentes do mundo tecnológico.[5]Neste mesmo ano, recebeu uma premiação da Fundação Nokia por suas contribuições para a evolução da World Wide Web como uma plataforma participativa e verdadeiramente democrática.[6]

A 9 de maio de 2010, no decurso da polémica gerada pela sua intervenção no projecto Commons sobre remoção de imagens de caráter pornográfico, Jimmy Wales removeu os privilégios executivos do seu estatuto de fundador da Wikipédia, conservando os relativos à visualização de edições, de modo a que a discussão sobre o seu estatuto não interferisse no debate em curso sobre o conteúdo editorial.[7][8]

Em 2 de fevereiro de 2016 recebeu o título de Doutor Honoris Causa da Université catholique de Louvain (UCL/Bégica).[9][nota 1]

(Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Jimmy_Wales, data de acesso 10/10/2017)

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2017/10/jimmy-wales-co-fundador-de-wikipedia-ha-16-anos/

out 15

Uso prolongado de smartphones pode causar síndrome do túnel do carpo

19 de julho de 2017 (Bibliomed).

O uso prolongado de smartphones e outros dispositivos eletrônicos de mão leva a um risco aumentado de síndrome do túnel do carpo. Isso é o que indica estudo publicado na revista Muscle & Nerve.

Investigadores de Hong Kong atualizaram sua pesquisa anterior envolvendo 500 estudantes da Universidade de Hong Kong. Esses alunos caíram em dois grupos: usuários intensivos de dispositivos eletrônicos de mão (ou seja, cinco ou mais horas de uso por dia) e usuários não-intensivos (menos de cinco horas por dia). Os dispositivos manuais incluíam telefones celulares, tablets e consoles de jogos. Mais de metade (54%) do grupo intensivo relatou dor e/ou desconforto musculoesquelético, em comparação com 12% entre o grupo menos intensivo.

O novo estudo analisou 48 alunos do primeiro estudo. Metade eram usuários intensivos que gastaram (em média) mais de nove horas por dia usando seus dispositivos. Aqueles no outro grupo passaram pouco menos de três horas por dia em seus dispositivos. Os participantes responderam questionários sobre hábitos de dispositivos eletrônicos e qualquer dor ou desconforto no pescoço, ombro, costas, cotovelo ou região do pulso/mão. Exames de ultrassom e exames físicos na região do pulso também foram feitos.

Os pesquisadores descobriram que os usuários de eletrônicos intensivos tinham significativamente mais desconforto, sendo este de maior gravidade, no pulso e na mão. Quanto mais tempo uma pessoa passava usando um dispositivo eletrônico de mão, mais intensa e duradoura eram as dores nas mãos e pulsos. O uso excessivo de dispositivos eletrônicos pode afetar negativamente o nervo mediano dentro do túnel do carpo e do ligamento transverso do carpo, resultando em parestesia e dores na mão.

Fonte: Muscle Nerve. DOI:10.1002/mus.25697 Copyright © 2017 Bibliomed, Inc.

(Fonte: http://www.boasaude.com.br/noticias/11437/uso-prolongado-de-smartphones-pode-causar-sindrome-do-tunel-do-carpo.html, data de acesso 10/10/2017)

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2017/10/uso-prolongado-de-smartphones-pode-causar-sindrome-do-tunel-do-carpo/

out 15

Usar narguilé equivale a fumar 100 cigarros

29 de agosto de 2013 (Bibliomed).

O narguilé, também conhecido por outros nomes, como cachimbo d’água, shisha ou Hookah, é um dispositivo utilizado para fumar que pode equivaler ao consumo de até 100 cigarros.

No narguilé, o tabaco é aquecido e a fumaça passa por um filtro de água antes de ser aspirada pela pessoa por meio de uma mangueira. Por utilizar mecanismos de filtragem, o consumo de narguilé é visto como menos nocivo à saúde, contudo, dados a Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que uma sessão de narguilé, que dura entre 20 e 80 minutos, expõe a pessoa a todos os componentes químicos encontrados em 100 cigarros.

O uso do narguilé está associado ao desenvolvimento de câncer de pulmão, doenças respiratórias, doença periodontal (da gengiva) e com o baixo peso ao nascer, além de expor seus usuários a uma concentração elevada de nicotina que causa dependência rápida.

Após 45 minutos utilizando um narguilé, os batimentos cardíacos aumentam, assim como a concentração de monóxido de carbono expirado. Ocorre, também, maior exposição a metais pesados, altamente tóxicos e de difícil eliminação, como o cádmio. Seu uso prolongado pode causar câncer de pulmão, boca e bexiga, além de aterosclerose e doença coronariana, e o uso de equipamentos compartilhados pode causar doenças como herpes, hepatite C e tuberculose.

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em 2008 mostraram que, no Brasil, existem cerca de 300 mil usuários de narguilé.

Fonte: Ministério da Saúde, 28 de agosto de 2013. Copyright © 2013 Bibliomed, Inc.

(Fonte: http://www.boasaude.com.br/noticias/10352/usar-narguile-equivale-a-fumar-100-cigarros.html, data de acesso 10/10/2017)

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2017/10/usar-narguile-equivale-a-fumar-100-cigarros/

out 15

Homens foram chamados para colaborar na campanha de igualdade de gênero e empoderamento das mulheres

Uma das campanhas da ONU- Organização das Nações Unidas (ONU) (1), ou simplesmente Nações Unidas (2) e(3)em 25.10.2015 – Precisamos falar com os homens? Uma jornada pela igualdade de gênero (4), um doc da ONU Mulheres para empoderamento das mulheres. Uma iniciativa da ONU Mulheres, viabilizada pelo Grupo Boticário, que procura aproximar os homens do debate em defesa dos direitos das mulheres. Leia mais….Uma das campanhas da ONU- Organização das Nações Unidas (ONU) (1), ou simplesmente Nações Unidas (2) e(3)em 25.10.2015 – Precisamos falar com os homens? Uma jornada pela igualdade de gênero (4), um doc da ONU Mulheres para empoderamento das mulheres. Uma iniciativa da ONU Mulheres, viabilizada pelo Grupo Boticário, que procura aproximar os homens do debate em defesa dos direitos das mulheres.

 

Referências:

  1. https://pt.wikipedia.org/wiki/Organização_das_Nações_Unidas
  2. http://www.un.org
  3. http://www.onu.org.br
  4. http://www.onumulheres.org.br/destaques/precisamosfalarcomoshomens/
(Fonte: http://www.onumulheres.org.br/destaques/precisamosfalarcomoshomens/, data de acesso 10/10/2017)

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2017/10/homens-foram-chamados-para-colaborar-na-campanha-de-igualdade-de-genero-e-empoderamento-das-mulheres/

out 15

Ter Asperger aos 50, sem saber

Cerca de 1% da população mundial tem algum Transtorno de Espectro Autista (TEA)

Francisco Violat Bordonau (52 anos) soube aos 48 anos que tem a síndrome de Asperger depois de ser alertado por uma pessoa: um homem que o viu dando uma palestra comentou ter observado, pela sua maneira de falar e de se movimentar, que ele tinha Asperger. Violat Bordonau fez os testes com um psicólogo e confirmou a sua condição. “Quando me diagnosticaram, fiquei aliviado. Eu disse: ‘já sei o que eu tenho, já sei o que preciso fazer, preciso reforçar a empatia, a integração social’, e fiz terapia durante muito tempo e estou muito bem”, conta o astrônomo e astrofísico.

Não se sofre da síndrome de Asperger, pois ela não é uma doença. A pessoa simplesmente tem Asperger, por ter uma condição neurológica diferente daquela que é a mais frequente na população. Trata-se de um Transtorno de Espectro Autista (TEA) que pode ser detectado entre os três e os quatro anos e meio de idade. O diagnóstico precoce é um dos principais objetivos das instituições que trabalham com esse tema. Mais de 10% dos casos que aparecem pedindo orientação são de pessoas adultas que souberam do problema já na maturidade. Na quinta-feira, 18 de fevereiro, foi lembrado o Dia Internacional da Síndrome de Asperger.

“A partir do diagnóstico, a minha vida mudou totalmente: minha ex-mulher se divorciou de mim depois de 19 anos e eu tive de aprender a viver sozinho, sozinho com os meus problemas, com a depressão que eu tinha, tanto por causa do diagnóstico quanto por ter ficado sozinho, e refiz a minha vida, e agora sigo em frente”, diz um ex-professor, que está desempregado.

Nix (nome fictício) não teria se dedicado ao ensino se tivesse sabido antes que tinha Asperger. Só soube que tinha um TEA há alguns anos — “aos quarenta e poucos” —, depois de passar a vida toda achando que era tímido, incompreendido, diferente. O professor mantém sob reserva a sua condição neurológica, a tal ponto que ninguém tem conhecimento dela em seu trabalho. “Nas poucas vezes em que abri isso, ninguém entendeu, e falaram de algumas características de pessoa conhecidas e as compararam com as minhas dizendo que eram muito esquisitas, adjetivos, como freak ou outros parecidos, bastante usados quando se referem a pessoas asperges ou autistas”, afirma o entrevistado.

Os casos de Nix e Francisco Violat são dois entre dezenas acompanhados de perto por organizações afiliadas à Federação de Asperger da Espanha. Ainda que estejam voltadas a crianças e seus pais, também atendem adultos que tiveram um diagnóstico tardio. “Os diagnósticos tardios não são os mais frequentes, mas tampouco são desprezíveis. Não dispomos de estatísticas muito abrangentes, mas calculo que estejamos falando de entre 12% e 15% das pessoas que solicitam acompanhamento através de programa”, afirma José Antonio Peralta, responsável técnico da Federação.

O diagnóstico tardio está ligado ao desconhecimento: nos anos quarenta, os psiquiatras austríacos Leo Kanner e Hans Asperger descreveram pela primeira vez os quadros clínicos dos TEAs. Mas foi apenas em 1994 que a Síndrome de Asperger foi oficializada como um distúrbio do desenvolvimento incluído no Manual Diagnóstico Estatístico da Associação Americana de Psiquiatria. Naquela época, Francisco Violat e Nix já tinham seus 30 e poucos anos, o que impossibilitou um diagnóstico na infância. “Na minha época, ou você era normal ou era autista, no sentido depreciativo de alguém que está fechado em si mesmo, algo muito agudo, muito avançado e muito profundo. Não havia essa distinção sutil que há hoje”, diz Violat.

Uma pessoa que chega aos 40 anos sem saber que tem Asperger tem que se reeducar, rever algumas decisões de vida e compensar algumas deficiências em sua forma de socializar. E essa falta de acompanhamento psicológico ao longo da vida deixa cicatrizes no que se refere à interação social: abuso, assédio e incompreensão. Nix diz que o mais difícil na convivência com a síndrome é justamente “não saber o que se tinha”, assim como “a rejeição de outras pessoas, a solidão de não poder contar com ninguém no terreno da amizade”. “[Incomoda] que me tomem por idiota por causa da minha pouca expressão facial e minha ingenuidade, ou que na área profissional ocorram assédios, o que, infelizmente, tive que viver”.

“Durante a infância, a adolescência e a entrada na vida adulta fui normal. Não tive muitos problemas. Já no ambiente de trabalho, algumas vezes sofri assédio, abuso e bullying. Eu pensava que era tímido e não era capaz de reagir. Até mesmo quando era casado, era minha ex-mulher quem me tirou desses apuros ao confrontar o abusador”, conta Violat. Para este astrônomo natural da Galícia, a convivência com outros pacientes com Asperger e que tiveram diagnóstico tardio ajudou-o a se integrar.

“Para uma pessoa com 35 ou 40 anos, no momento em que a síndrome poderia ter sido diagnosticada, era difícil fazê-lo porque não existia sensibilização nem conhecimento, e nem mesmo profissionais especializados em detectar, diagnosticar e intervir na Síndrome de Asperger”, explica José Antonio Peralta.
Nix acredita que ter descoberto sua condição mais cedo o teria ajudado a viver com menos ansiedade, ficar menos deprimido, assim como tentar conviver em um ambiente menos “estressante e opressivo”. “Em vez de ser professor, eu poderia ter escolhido um trabalho mais compatível comigo. Poderia ter refeito minha vida estudando outra profissão quando eu ainda tinha essa oportunidade”.

O responsável técnico da Federação de Asperger da Espanha diz que para facilitar a integração de pessoas com o distúrbio ou algum tipo de TEA é preciso ser flexível, estar disposto a aprender e a apreciar a diversidade humana. Francisco Violat afirma que a empatia ajuda: “Carne, sangue, espírito e sentimentos, somos exatamente iguais. A diferença é que, no melhor dos casos, temos mais dificuldades para nos revelarmos ou nos expressarmos. Mas, fora isso, não somos tão estranhos”.

Cerca de 1% da população mundial tem algum tipo de TEA, segundo dados dos Centros para o Controle e a Prevenção de Doenças do Governo dos Estados Unidos. E segundo a revista especializada Jama Pediatrics, mais de 3,5 milhões de norte-americanos têm autismo, enquanto no Reino Unido 604.000 pessoas são classificadas dentro desse espectro.

(Fonte: https://brasil.elpais.com/brasil/2016/02/17/ciencia/1455722948_814914.html, data de acesso 10/10/2017)

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2017/10/ter-asperger-aos-50-sem-saber/

out 15

Juiz do Piauí decretou primeira prisão por estupro virtual no Brasil

Publicado por Correção FGTS há 2 meses

Em uma decisão pioneira no Brasil, o juiz Luiz de Moura Correia, da Central de Inquéritos de Teresina, determinou a prisão de um acusado pelo crime de “estupro virtual”. Juntamente com a Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática, o magistrado iniciou a investigação acerca da prática criminosa. No caso, o investigado, utilizando um perfil fake da rede social Facebook, ameaçava exibir imagens íntimas da vítima, exigindo desta o envio de novas fotografias desnuda e até mesmo introduzindo objetos na vagina e/ou se masturbando.

A fim de identificar o acusado, o juiz Luiz de Moura determinou ao Facebook que fornecesse as informações acerca do usuário do computador utilizado para a prática do crime. A empresa prontamente atendeu a ordem emanada da Justiça e, após identificado o acusado, foi determinada sua prisão.

Embora no caso não ocorresse contato físico entre a vítima e o agente, esta foi constrangida a praticar o ato libidinoso em si mesma. Nessa situação, o juiz Luiz de Moura, em sintonia com a doutrina, entendeu que houve a prática do crime de “estupro virtual”, perpetrado em autoria mediata ou indireta, pois a ofendida, mediante coação moral irresistível, foi obrigada a realizar o ato executório como “longa manus” do agente.

Ressalta-se que esse tipo de conduta é denominada pela doutrina moderna como “sextorsão”, a palavra é uma aglutinação da palavra “sexo” com a palavra “extorsão”. Esse neologismo, ainda quase desconhecido no Brasil, que pode ser caracterizada como uma forma de exploração sexual que se dá pelo constrangimento de uma pessoa à prática sexual ou pornográfica, em troca da preservação em sigilo de imagem ou vídeo da vítima em nudez total ou parcial, ou durante relações sexuais, previamente guardadas.

A decisão é inédita no país e vem para consolidar a ideia de que a internet não é terra de ninguém, visando acabar com as práticas daqueles que se escondem no anonimato da internet para o cometimento de crimes, além de servir de alerta para que novas vítimas, sofrendo abusos parecidos, compareçam às Delegacias de Polícia para denunciar.

(Fonte: http://www.rondoniaovivo.com/https://correcaofgts.jusbrasil.com.br/noticias/485902382/juiz-do-piaui-decreta-primeira-prisao-por-estupro-virtual-no-brasil, data de acesso 10/10/2017)

Link permanente para este artigo: http://espacohomem.inf.br/2017/10/juiz-do-piaui-decretou-primeira-prisao-por-estupro-virtual-no-brasil/