Por ‘segurança’ de usuários, empresa na França lança ‘maconhômetro’

Publicado por Nelci Gomes

Publicado por Daniela Fernandes

Objetivo é permitir que usuários meçam presença da erva antes de dirigir e exercer atividades de risco

Uma empresa francesa lançou um teste de urina para medir a presença de maconha no organismo, que está sendo vendido em tabacarias em todo o país e também distribuído em algumas escolas por profissionais da área de saúde.
Segundo Marc Elie, proprietário da Elicole, que desenvolveu o Cannabis Verdict, o teste de detecção da maconha é uma novidade mundial.

O teste tem usos variados: permite que usuários motoristas possam verificar se há resíduos da droga no corpo, mas também pode ser usado por escolas ou empresas para saber se um aluno ou um funcionário consumiram maconha. O consumo da droga é proibido no país.

O produto foi lançado recentemente no Canadá e deverá chegar em breve ao Estados Unidos, onde já recebeu as autorizações necessárias para a venda. Ele também deverá ser distribuído em países da América do Sul, disse Elie à BBC Brasil.

O Cannabis Verdict é um teste de urina e o resultado demora no máximo 15 minutos para ser revelado. O preço é de 3,50 euros (cerca de R$ 11).

O kit inclui ainda um livro de 24 páginas, com informações sobre riscos à saúde e a legislação internacional em relação ao uso de drogas.

Na França, 100 mil testes de maconha já foram vendidos desde o lançamento, em fevereiro. Cerca de 7 mil tabacarias em todo o país vendem o produto atualmente, segundo o proprietário da Elicole.

“Estamos trabalhando também com a rede de ensino. Enfermeiras de colégios e liceus franceses utilizam o teste como uma ferramenta de prevenção”, afirma.
O Cannabis Verdict é destinado aos fumantes esporádicos de maconha, estimados em 4 milhões de pessoas na França, de acordo com o Observatório Francês de Drogas e Toxicomanias.

Isso porque resíduos de THC (tetrahidrocanabinol, a substância ativa da maconha) podem permanecer de 24 a 96 horas no organismo do fumante, diz Elie. Ou seja, o resultado de um consumidor regular será sempre positivo.

Cannabis Verdict é um teste de urina e resultado demora no máximo 15 minutos
O teste de maconha visa principalmente a segurança nas estradas. O objetivo é saber rapidamente se há resíduos de THC no organismo, para o caso de um eventual controle policial.

“Uma pessoa pode dar apenas dois tragos em um baseado e ter resíduos de THC no organismo durante quatro dias. Diferentemente do álcool, em que há um limite autorizado, no caso da maconha basta que o resultado seja positivo para ter implicações judiciais”, afirma Elie.

“É uma maneira de se autocontrolar e também se responsabilizar em relação ao consumo da maconha”, afirmou à BBC Brasil.

Na embalagem do Cannabis Verdict está escrita a frase “a sua vida é preciosa. Faça o teste antes de pegar o volante”.

Na França, um motorista com resíduos de THC no sangue perde seis pontos na carteira, sofre multa de € 4,5 mil (quase R$ 14 mil) e pode ser condenado a dois anos de prisão. Isso quando não há acidente. Se houver, a pena é de dez anos de prisão.

O teste de maconha também visa profissionais que exercem atividades de risco, como pessoas que trabalham em alturas e motoristas de caminhão, por exemplo.
Na França, uma empresa tem o direito de fazer regularmente testes de controle, como o bafômetro, em trabalhadores que exercem funções com risco de acidentes.
De acordo com a missão interministerial Contra as Drogas e Comportamentos de Adição, do governo francês, 20% dos trabalhadores do país utilizam psicotrópicos (que agem no sistema nervoso central), como álcool, maconha, cocaína e outras substâncias, incluindo medicamentos, como antidepressivos.

A Elicole, que desenvolveu o Cannabis Verdict (fabricado por um laboratório alemão), atua na área de prevenção contra as drogas por meio de palestras e cursos em grandes empresas e escolas francesas.

Elie, seu fundador, cumpriu, há 20 anos, pena de prisão por tráfico de drogas. “Fui ajudado por um procurador que havia atuado em casos internacionais, como o do traficante Pablo Escobar”, conta.

Ele responde a críticos que dizem que o produto poderia facilitar ou mesmo incitar o consumo, dizendo que “pelo contrário, o objetivo é conscientizar as pessoas para não ter comportamento de risco no volante nem no trabalho e lançar debates a respeito”.

Fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/05/140505_teste_maconha_franca_pai_df.shtml

Publicado por Nelci Gomes

Inicio de vida acadêmica na Escola de Engenharia Agronômica – UFRB fazendo parte de alguns movimentos em busca pelo desenvolvimento

(Fonte: http://nelcisgomes.jusbrasil.com.br/noticias/118673618/por-seguranca-de-usuarios-empresa-na-franca-lanca-maconhometro)

Link permanente para este artigo: https://espacohomem.inf.br/2014/05/por-seguranca-de-usuarios-empresa-na-franca-lanca-maconhometro/

Indenização pelo atraso na entrega de imóvel

Quais são os seus direitos?

Publicado por Nicolau Waris

Com o “boom” na indústria da construção civil, sempre vemos novos lançamentos de imóveis residenciais e comerciais. Porém, quem resolve investir ou quer morar e decidiu comprar na planta buscando pagar menos, vem se deparando com o atraso constante por parte das construtoras para entregar os imóveis no prazo estipulado.

Daí surgem várias perguntas dos consumidores, e as mais frequentes são as seguintes. Vejamos:

Quando fica caracterizado o atraso na entrega do Imóvel?

O atraso na entrega do imóvel ocorre a partir da data prevista no contrato, sem prorrogação.

O que é cláusula de carência (tolerância de 180 dias para entrega do bem) ou prazo de prorrogação na entrega da obra?

Trata-se de cláusula manifestamente abusiva. Fere os princípios do equilíbrio contratual, pois só beneficia a construtora e boa-fé objetiva, uma vez que não configura a data da efetiva entrega do imóvel. Por se tratar de uma relação de consumo, a responsabilidade da construtora é objetiva, devendo suportar os riscos do negócio. “O contrato deve ser um instrumento de trocas úteis e justas”.

Portanto, nossos tribunais, vem decidindo pela ilegalidade dessa cláusula, e afirmam que a cláusula que permite o atraso na entrega da obra, sem justificativa suficiente, é de claramente abusiva. Não há qualquer contrapartida ao consumidor na demora da empreiteira, devendo aquele continuar adimplente com o contrato e suportar os custos da mora (tais como a impossibilidade de utilizar seu imóvel, e outras). Diante disso, essa cláusula de tolerância é corriqueiramente declarada nula.

Qual a solução jurídica?

Depende de cada caso. Mas de modo geral, o consumidor poderá pedir que seja o contrato desfeito, com recebimento de tudo que foi pago, corrigido monetariamente e acrescido de juros; Ou, a suspensão de eventuais pagamentos em aberto, cobrança de multa contratual, restituição em dobro da taxa paga indevidamente a título de corretagem, indenização por danos morais, indenização por danos matérias, perda do lucro esperado – aluguéis que deixou de receber e/ou aluguéis que vem pagando ante a demora na entrega, devidamente atualizados.

Como saber se tenho direito ou não?

A partir da data estipulada em contrato para entrega do imóvel o consumidor passa a ter direito a indenização, sem a contar com a prorrogação, que é cláusula considera na maioria das decisões como abusiva.

Portanto, confirmado o atraso, o consumidor já pode acionar o Poder Judiciário buscando a reparação indenizatória pelo descumprimento do prazo contratual. Essa confirmação pode ser através de uma correspondência da construtora informando o atraso, convencional ou eletrônica, ou mesmo a constatação visual do atraso do cronograma da obra, através de registro fotográfico.

Qual a vantagem de ajuizar a ação ainda na fase de construção?

Informamos aos consumidores que adquiriram imóvel na planta ou na fase de construção da obra, que a demora na entrega deste bem gera indenização por danos materiais e moral, além da restituição em dobro dos valores pagos a título da taxa de corretagem, com fundamento no artigo 42, § único do Código de Defesa do Consumidor.

Trata-se de ação de indenização em face da construtora que não cumpriu o prazo de entrega estipulado em contrato. A única forma de receber os valores é recorrendo ao Poder Judiciário.

É que nesta fase torna maior a possibilidade de se conseguir uma liminar para obrigar a construtora a pagar aluguéis desde o início do processo. Vale lembrar que o direito de receber aluguéis é apenas um dos direitos indenizatórios oriundos do atraso da obra.

E esse direito não depende de o consumidor estar efetivamente pagando aluguel, já que pode ser pedida na ação a renda locatícia que o consumidor deixou de receber, alugar já que poderia alugar o seu imóvel a terceiros, caso não houvesse o atraso. É o caso típico daqueles consumidores que compram imóveis para com objetivo de investir, ou ainda, aqueles que compram com a finalidade de residir, mas pelo atraso, estão pagando aluguel quando deveriam já está morando no imóvel.

Já houve a entrega das chaves, mas a obra atrasou! Ainda tenho direito?

Sim, mesmo após o recebimento das chaves em uma obra que atrasou, o consumidor continua tendo direito a mover ação indenizatória contra a construtora, pelo prazo de até 5 (cinco) anos após o início do atraso, ou seja, a contar do dia seguinte ao prazo contratual de entrega.

Quem mover uma ação, pode sofrer retaliação da construtora?

Este é o maior medo dos consumidores. Que ficam receosos de não receberem as chaves por causa da ação judicial. Esta possibilidade, simplesmente, não existe! Principalmente, se o consumidor estiver em dia com todos os pagamentos contratuais. Logo, não há justificativa legal para a construtora deixar de entregar as chaves.

Na verdade, normalmente ocorre o contrário. Tendo o consumidor ação judicial que cobra indenização por cada mês de atraso, é comum a construtora desejar entregar mais rápido as unidades com ação na justiça, simplesmente para reduzir o impacto da ação.

Quais os documentos necessários para propositura da ação?

Os documentos necessários para propositura são cópias simples do contrato de compromisso de compra e venda; Material utilizado na oferta do imóvel; Material de publicidade; Folhetos; Prospectos; Anúncios de jornais; Fotos; Ficha de cadastramento; Ficha de financiamento; Demonstrativos de pagamento; e-mails, etc. Portanto, quanto mais farto e robusto for o seu conteúdo de provas, melhor será para o advogado que você constituir para atuar no caso.

Qual o prazo para entrar com a ação?

O prazo para entrar com as ações pleiteando a reparação de danos é de 03 (três) anos, por força do disposto no artigo 206, § 3º, V, do atual Código Civil Brasileiro.

Qual o tempo de duração do processo?

Não há prazo definido em lei. Geralmente, este período varia em torno de quatro anos, mais ou menos, dependendo se houveram recursos no processo. No decorrer da ação, os valores devidos serão atualizados conforme Tabela e acrescidos de juros de mora de 1% ao mês até o efetivo pagamento.

O que alegam as construtoras?

As construtoras atribuem o atraso ao aquecimento do mercado imobiliário, caso fortuito e/ou força maior, chuvas, alagamentos, bem como, à demora do poder público em expedir o habite-se, documento necessário para a entrega do bem. Ocorre que, chuvas e problema de mão de obra fazem parte do dia a dia das construtoras.

São riscos da atividade que devem ser levadas em consideração quando estipulado o prazo para entrega do imóvel. A construtora tem a obrigação de indenizar o consumidor devido à atividade que realiza, aplicando-se ao caso a teoria do risco profissional, pois como recolhe os frutos da atividade, deve suportar os riscos do negócio.

Portanto, fique atento, se se sente prejudicado, não tenha medo! Consumidor consciente e informado deve buscar seus direitos!

Publicado por Nicolau Waris

Advogado; Pós-graduado e especialista em Direito e Processo do Trabalho pela UNAMA; Conta com escritório localizado na capital

(Fonte: http://nicolauwaris.jusbrasil.com.br/artigos/118241128/indenizacao-pelo-atraso-na-entrega-de-imovel)

Link permanente para este artigo: https://espacohomem.inf.br/2014/05/indenizacao-na-entrega-do-imovel/

Os curiosos e sábios comentários em relação ao lançamento Espaço Homem

Olá leitores! Olá leitoras!

Edição n° 2 – Abril de 2014

Sem dúvida, os homens em geral apreciaram a ideia de junto com o ESPAÇO MULHER, estar também o ESPAÇO HOMEM.

Agora vamos às reações deles:

Percebe-se que há dois tipos de preocupações. A primeira é sobre o conteúdo que será divulgado, então questionaram: “O que é que vão escrever ali, é para nos prejudicar ou é para nos orientar em relação às leis, acontecimentos, assuntos que precisamos compreender em relação às mulheres, família etc?”

E a segunda preocupação é que se eles vão poder colaborar também, se as mulheres vão gostar que haja este ESPAÇO HOMEM para eles também, enfim, estão preocupados com o que as mulheres irão pensar e comentar.

Porém, o que mais surpreendeu-nos foi uma alegria em saber como podem colaborar, alguns ficaram até mais amistosos, e acreditam que também os ajudaremos no que precisam se atualizar mais, “eram só as mulheres que estavam tendo este privilegio!” Têm preocupação se alguém nos molestar por isto, e disseram que fale em primeiro lugar com eles, querem saber tudo para ajudar (gente, que apoio de homens!).

E há aqueles desconfiados, sorriso maroto, e já vão dando o aviso, “cuidado com o que vai publicar, nesta hora não vai ter autoridade masculina para te defender” (pode isto em pleno século 21, ameaças por insegurança, o que será que temem tanto, não é minha gente!).

Enfim, eis-nos aqui na edição número 2 (dois) e, no mês de maio já se iniciam as reuniões com alguns destes homens colaborativos para um estudo continuado, em prol do êxito do ESPAÇO HOMEM.

Agradecemos também a compreensão da maioria das mulheres, os sorrisinhos maliciosos sobre os conteúdos que serão divulgados, mas que consideraram justo que isto ocorra. Pois, acreditam que o ESPAÇO HOMEM é ao lado do ESPAÇO MULHER e vice-versa.

Leia as notícias, artigos e eventos que pesquisamos nesta edição para você.

Receba nosso fraternal abraço, Elisabeth Mariano e equipe ESPAÇO HOMEM.

Link permanente para este artigo: https://espacohomem.inf.br/2014/04/os-curiosos-e-sabios-comentarios-em-relacao-ao-lancamento-espaco-homem/

Editora Aleph anuncia o lançamento do livro Homens Difíceis

março 14, 2014

“A editora Aleph anunciou hoje o lançamento do livro Homens Difíceis – Os bastidores do processo criativo de Breaking Bad, Família Soprano, Mad Man e outras séries revolucionárias, de Brett Martin.

Homens Difíceis

Esta obra acompanha a produção de grandes seriados pelos bastidores. Nela o leitor confere propostas, decisões, jogadas de sorte e coincidências que levaram a criação destes grandes seriados que se tornaram divisoras de águas na história do entretenimento.
De acordo com a editora, é um livro essencial para fãs de cinema e TV. E pelo que pudemos ver sobre a obra, realmente despertou nosso interesse. Afinal, nada melhor do que se aprofundar um pouco mais e descobrir o que rolou por baixo do pano para que essas maravilhosas séries se tornassem realidade.”

O livro já está disponível nas livrarias e tem preços de R$ 35 até R$ 54.

Veja fotos e leia matéria completa no link abaixo.

(Fonte: http://geekness.com.br/homens-dificeis-anunciado/, data de acesso 10/04/2014)

Link permanente para este artigo: https://espacohomem.inf.br/2014/04/editora-aleph-anuncia-o-lancamento-do-livro-homens-dificeis/

Lançamento do jogo: O Espetacular Homem-Aranha 2

11.Abril 2014

“Quando a Gameloft lançou o primeiro jogo do Espetacular Homem Aranha para dispositivos móveis, a produtora passou a se consolidar mais uma vez nesse mercado, visto que lançou o jogo com um mundo aberto relativamente grande e com uma mecânica de jogo bem bacana. Agora, em uma promoção para o novo filme do herói, a GL irá lançar o jogo O Espetacular Homem Aranha 2, que contará com algumas melhorias e adição de novos recursos que foram pedidos pelos usuários nas análises da versão anterior.

A produtora lançou um trailer de lançamento do jogo, que chegará naApp Store, Google Play e Windows Phone Store no próximo dia 17 (quinta-feira). O jogo irá contar com uma boa gama de vilões para conduzir a sua história, e sem mais enrolação.

Segundo a própria Gameloft, a história desse segundo jogo é um pouco mais profunda e explorada do que a do primeiro, e ele irá levá-lo por 8 locais da caótica Manhattan, incluindo a Times Square e o Central Park – claro, tudo em um mundo aberto, onde você irá lutar contra inimigos no ar e em prédios, que deverão ser utilizados à seu favor para planar e lançar sua teia. Também haverão algumas missões secundárias com eventos sociais, como por exemplo, as famosas lutas clandestinas na “Arena Mysterio”, onde Peter iniciou a sua “carreira”.”

Veja fotos e leia matéria completa no link abaixo.

(Fonte: http://www.tudocelular.com/jogos/noticias/n34556/o-espetacular-homem-aranha-2-data-lancamento.html)

Link permanente para este artigo: https://espacohomem.inf.br/2014/04/lancamento-do-jogo-o-espetacular-homem-aranha-2/

CCJ aprova projeto sobre responsabilidade em casos de fraude em empresas

Publicado por Agência Brasil

“A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou no dia 8, o projeto de lei que limita a responsabilidade de sócio de empresa nos casos de fraude ou de outras manobras ilícitas para não pagar credores, a chamada desconsideração da personalidade jurídica.

A medida geralmente é usada para responsabilizar pessoalmente os sócios por uma obrigação que era, inicialmente, da empresa. A responsabilização permite que os bens particulares dos sócios ou administradores sejam usados para pagar as obrigações da empresa, quando for caracterizada a prática ilícita.
Ainda de acordo com o texto, as decisões da administração pública sobre desconsideração da personalidade jurídica também ficam sujeitas a decisões judiciais.

De acordo com o projeto aprovado, será definido um rito antes de ser decretada a desconsideração de personalidade jurídica. Atualmente, não há um trâmite específico para ela, mesmo sendo prevista em lei. O projeto determina que o Judiciário terá ouça, obrigatoriamente, os réus. Os sócios da empresa terão 15 dias, após a intimação, para apresentar a defesa ao instaurar a desconsideração.

Segundo o projeto, sócios ou administradores terão direito de produzir provas, e o juiz só poderá decretar a desconsideração da personalidade jurídica depois de ouvir também o Ministério Público.
Caso seja decretada a medida, ela não poderá atingir os bens particulares dos membros, instituidores, sócios ou administradores que não tenham praticado ato abusivo em prejuízo dos credores da pessoa jurídica e em proveito próprio.

O texto aprovado é um substitutivo apresentado por Danilo Forte (PMDB-CE) na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio, que unifica os projetos de lei 3.401/08, de autoria de Bruno Araújo (PSDB-PE), e 4.298/08, do ex-deputado Homero Pereira. Ambos os textos estabelecem regras para a desconsideração jurídica. O projeto agora deve seguir para o Senado.”

(Fonte: http://agencia-brasil.jusbrasil.com.br/noticias/115488854/ccj-aprova-projeto-sobre-responsabilidade-em-casos-de-fraude-em-empresas)

Link permanente para este artigo: https://espacohomem.inf.br/2014/04/ccj-aprova-projeto-sobre-responsabilidade-em-casos-de-fraude-em-empresas/

7º Seminário Nacional O Professor e Leitura do Jornal

Faculdade de Educação – Unicamp

Data: 24 e 25 de abril de 2014

“A sétima edição do Seminário tem como tema Educação, Comunicação e Sociedade do Espetáculo em uma programação que coloca maior atenção na relação entre mídia, performatividade e consumo. Estão programadas conferências, mesas-redondas, oficinas, sessões de comunicação e lançamentos de livros. É possível participar como ouvinte ou como apresentador de trabalhos acadêmicos.” Informações, programação e inscrições no site do evento.

(Fonte: http://www.sinprosp.org.br/acontece.asp?evento=502, data de acesso 10/04/2014)

Link permanente para este artigo: https://espacohomem.inf.br/2014/04/7o-seminario-nacional-o-professor-e-leitura-do-jornal/

STJ mantém decisão que condenou pai a pagar indenização por abandono afetivo

Publicado por Agência Brasil

“Os ministros da Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) mantiveram no dia 9, a decisão que condenou um pai a pagar indenização de R$ 200 mil por abandono material e afetivo à filha, por ausência durante a infância e adolescência.

A maioria dos ministros seguiu voto do relator do processo, ministro Marco Aurélio Buzzi. Segundo o ministro, no caso específico, o pai tinha o dever legal de cuidar da filha. A defesa alegou na Justiça que o distanciamento ocorreu devido ao comportamento agressivo da mãe. Para o ministro, no entanto, a conduta materna não justifica a ausência do pai.

O caso teve o primeiro pronunciamento no STJ em 2012, quando a Terceira Turma apontou para um reconhecimento inédito de responsabilidade por abandono afetivo pelos pais. A ação começou a tramitar na primeira instância e foi julgada improcedente. O caso foi levado ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), que reformou a sentença. Em apelação, o TJSP argumentou que o pai era “abastado e próspero”, reconheceu o abandono afetivo e fixou compensação por danos morais em R$ 415 mil.

No STJ, o pai alegou violação a diversos dispositivos do Código Civil e divergência em relação a outras decisões do tribunal. Ele disse ainda que não abandonou a filha e que a única punição possível pela falta em suas obrigações paternas seria a perda do poder familiar. Na ocasião, a Terceira Turma do STJ considerou o valor fixado pelo TJSP elevado e reduziu a compensação para R$ 200 mil. Esse valor deve ser atualizado a partir de 26 de novembro de 2008, data da condenação pelo tribunal paulista.”

(Fonte: http://agencia-brasil.jusbrasil.com.br/noticias/115587633/stj-mantem-decisao-que-condenou-pai-a-pagar-indenizacao-por-abandono-afetivo, data de acesso 10/04/2014)

Link permanente para este artigo: https://espacohomem.inf.br/2014/04/stj-mantem-decisao-que-condenou-pai-a-pagar-indenizacao-por-abandono-afetivo/

Artigo: Alienação Parental e Abandono Afetivos – questões polêmicas, problemas emblemáticos

Publicado em 26.03.2013

“O problema da alienação parental e abandono afetivo tem por escopo uma questão cultural, ou seja, até bem pouco tempo atrás e ainda hoje, em que pese as decisões judiciais estejam mais abertas à realidade fática, no âmbito do direito de família, os filhos em decorrência do divórcio acabavam sob a guarda das genitoras, em geral.

Entretanto, atualmente, repisa-se, com as novas decisões judiciais, essa “regra” está bastante relativizada, buscando uma maior proteção e bem estar do menor envolvido.

Friso que a alienação parental e o abandono afetivo são problemas sérios que têm sua base no aspecto cultural, eis que, considerando que, na maioria dos casos, os filhos ficavam sob a guarda da genitora, esta, muitas vezes, por ainda não ter aceitado e interiorizado sua nova realidade, ou seja, estar divorciada, acabava transferindo esse “luto” ao filho. O filho, por sua vez, acabava exteriorizando sua insatisfação com tal situação, aliando-se à genitora, em desfavor do pai. O que, infelizmente, em alguns casos, gerava o abandono afetivo por parte do genitor em relação ao filho.
Cumpre salientar que não se considera o abandono afetivo uma “desculpa” para o genitor, contudo, devemos ter uma mente aberta à realidade fática no direito de família.

O genitor, na maioria das vezes, para que não houvesse mais conflitos, e cenas vexatórias em frente ao filho, afastava-se da ex-mulher e, em consequência acabava também afastando-se do filho. Fingir que tal realidade não existia e não existe é lidar com tais problemas de forma equivocada.

A alienação parental causa problemas sérios para todos envolvidos na relação (pai, mãe e filho). Devemos deixar bem claro que, a alienação parental pode sim ser praticada não só ou somente pela genitora, mas por parentes próximos ao menor também.
É imprescindível para um crescimento saudável que o menor alienado seja encaminhado ao tratamento psicológico, quando comprovada tal alienação, juntamente com quem está praticando tais atos. Defendo também que o pai, deve ser encaminhado ao tratamento psicológico, para que, tal alienação não enseje um abandono afetivo.

O abandono afetivo tem como estopim, em alguns casos, não generalizando por obvio, pois existem pais que jamais conheceram seus filhos, por falta de vontade, infelizmente, na pratica constante de alienação parental. Importante lembrar que tais assuntos emblemáticos, embora existentes há anos, passaram a ser tratados de forma mais enfática há pouco tempo, não se tendo a visão que hoje se tem sobre os mesmos. Os pais estavam totalmente despreparados para lidar com mães que, ao sofrerem tanto com o divórcio, acabavam transferindo tal sofrimento para os filhos. E, estes apenas, na inocência acabavam repelindo o pai, pois interiorizavam todo o sofrimento da mãe, como sendo seu próprio sofrimento.

Não estamos fazendo, de forma alguma, um juízo de valor a respeito do abandono afetivo, muito menos o justificando. Apenas, estamos refletindo sob outra ótica tais problemas.

Nada justifica, nem serve como “desculpa” a pratica de abandono afetivo, tanto pelo genitor, quanto pela genitora, apenas estamos colocando que, em muitas ocasiões, o abandono afetivo é uma consequência da alienação parental exercida pela mãe ao filho, que é o que ainda ocorre, infelizmente.

Porém, em decorrência das decisões judicias mais próximas à realidade fática, espera-se que tais práticas, tanto da alienação parental, quanto do abandono afetivo, sejam rechaçadas, tornem-se apenas resquício de um passado doloroso para os envolvidos, mas distante da realidade atual, futuramente.

Abandonar o filho por conflitos com a genitora, não é a solução, gera ainda mais problemas psicológicos ao filho! A “solução é o tratamento psicológico, e, infelizmente, as punições jurídicas, para exterminar tais práticas.”

Autora: Tatiana Reis Filagrana OAB/SC 29.623

(Fonte: http://www.oab-bnu.org.br/site/index.php?option=com_content&view=article&id=7097:artigo-alienacao-parental-e-abandono-afetivos-questoes-polemicas-problemas-emblematicos&catid=7&Itemid=27)

Link permanente para este artigo: https://espacohomem.inf.br/2014/04/artigo-alienacao-parental-e-abandono-afetivos-questoes-polemicas-problemas-emblematicos/

Carta de um Homem (Sobre as Mulheres)

“Não importa o quanto pesa. É fascinante tocar, abraçar e acariciar o corpo de uma mulher. Saber seu peso não nos proporciona nenhuma emoção. Não temos a menor ideia de qual seja seu manequim. Nossa avaliação é visual. Isso quer dizer, se tem forma de guitarra… está bem. Não nos importa quanto medem em centímetros – é uma questão de proporções, não de medidas. As proporções ideais do corpo de uma mulher são: curvilíneas, cheinhas, femininas… Essa classe de corpo que, sem dúvida, se nota numa fração de segundo.

As muito magrinhas que desfilam nas passarelas seguem a tendência desenhada por estilistas que, diga-se de passagem, são todos gays, e odeiam as mulheres e com elas competem. Suas modas são muito retas e sem formas, e parecem agredir o corpo maravilhoso das mulheres. Não há beleza mais irresistível na mulher do que a feminilidade e a doçura. A elegância e o bom trato são equivalentes a mil viagras.

A maquiagem foi inventada para que as mulheres a usem. Usem! Para se andar de cara lavada, basta a nossa… Sem graça os cabelos maltratados; quanto mais tratados, melhor! As saias foram inventadas para mostrar suas magníficas pernas. Por que razão cobrem-nas sempre com calças longas? É para quê as confundamos conosco? Uma onda é uma onda, cadeiras são cadeiras, e pronto. Se a natureza lhes deu estas formas curvilíneas, foi por alguma razão, e eu reitero: nós gostamos assim. Ocultar essas formas, é como ter o melhor sofá embalado no sótão. É essa a lei da natureza… que todo aquele que se casa com uma modelo magra, anoréxica, bulimíaca e nervosa logo procura uma amante cheinha, simpática, tranquila e cheia de saúde.

Entendam de uma vez! Procurem agradar a nós, e não só a vocês; porque nunca terão uma referência objetiva, do quanto são lindas e maravilhosas, dita por uma mulher. Nenhuma mulher vai reconhecer jamais, diante de um homem, com sinceridade, que outra mulher é simplesmente linda!

As jovens são lindas… mas as de 30 para cima, são verdadeiros pratos fortes. Por Karina Zzocco, Eva Longaria, Angelina Jolie ou Demi Moore, somos capazes de atravessar o Atlântico a nado. O corpo muda, cresce. Não podem pensar, sem ficarem psicóticas, que podem entrar no mesmo vestido que usavam aos 18. Entretanto, uma mulher de 45, que entra na roupa que usou aos 18 anos, ou tem problemas de desenvolvimento, ou está se autodestruindo.

Nós gostamos das mulheres que sabem conduzir sua vida com equilíbrio, alegres, e que sabem controlar sua natural tendência a culpas. Ou seja, aquela que quando tem que comer, come com vontade (a dieta virá em setembro, não antes; quando tem que fazer dieta, faz dieta com vontade (não se sabota e não sofre); quando tem que ter intimidade com o parceiro, tem com vontade; quando tem que comprar algo que goste, compra; quando tem que economizar, economiza.

Algumas linhas no rosto, algumas cicatrizes no ventre, algumas marcas de estrias não lhes tira a beleza. São feridas de guerra, testemunhas de que fizeram algo em suas vidas, não tiveram anos ‘em formol’, nem em Spa… Viveram!

O corpo da mulher é a prova de que Deus existe. É o sagrado recinto da gestação de todos os homens, onde foram alimentados, ninados e nós, sem querer, as enchemos de estrias, de cesáreas e demais coisas que tiveram que acontecer para estarmos vivos. Cuidem dele!
Cuidem-se!

Amem-se!

A beleza é o conjunto de tudo isto!”

Assinado: UM HOMEM

(enviado por Maikol)

Link permanente para este artigo: https://espacohomem.inf.br/2014/04/carta-de-um-homem-sobre-as-mulheres/